Biofilia: assistir à decomposição do corpo físico de entes queridos em caixões domésticos

(2015)


Retratos de pessoas podem ser montados com seus próprios cadáveres em ambiente doméstico, com isolamento de fauna e odores que acompanham o processo de decomposição natural.




A proposta aqui é de uma interferência sobre a estrutura da casa da família. Como quadros antigos, com retratos dos antepassados podem ser postos nas paredes da casa, pode ser desenvolvida uma estrutura para receber corpos dos mortos que não obstaculizar a rotina familiar. Atrás de uma parede ou chão transparente o corpo do falecido pode ser fixado em uma "postura memorável" e lá deixado para decompor. É importante que se considere o fluxo dos agentes decompositores e os artifícios para criação de uma cena atraente, como iluminação e profundidade. Depois de uns anos talvez seja possível que aquela matéria orgânica tome forma em pequenos vegetais mas os ossos, cabelos, roupas e postura podem ainda guardar pistas da identidade daquele corpo. Essa proposta, assim como as duas anteriores, caminha no sentido de promover uma confusão entre a história familiar de um indivíduo e o seu posicionamento num sistema maior - meio ambiente.